You are here

Notícias

Ação conclui etapa que permite a P-76 reduzir o volume de queima de gás.

Terceira plataforma a entrar em produção no campo de Búzios, a P-76 teve, em maio, a primeira injeção de gás. Foram quase três meses de preparação, após o início da produção, em fevereiro, para injeção do gás. As atividades foram desenvolvidas pelas equipes onshore e offshore do Consórcio TTP76 e da Petrobras.

As atividades exigiram alto grau de especialização por parte das equipes por conta da operacionalização dos sistemas e subsistemas envolvendo diversos equipamentos da Planta de Processo. O maior desafio foi o alto nível de complexidade técnica envolvendo a partida integrada dos sistemas da Unidade de Desidratação de Gás (GDU), a Unidade de Análise de Ponto de Orvalho (UAPO) e os compressores. Alcançar este marco permitiu à P-76 reduzir o volume de queima de gás, possibilitando, assim, realizar o comissionamento offshore dos sistemas, para o aumento da produção, conforme o planejamento acordado com a ANP e o Ibama.

Com capacidade para processar diariamente até 150 mil barris de petróleo e comprimir até 7 milhões de m³ de gás natural, a plataforma do tipo FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo) está localizada a aproximadamente 180 km da costa do estado do Rio de Janeiro, em profundidade de água de 2.030 metros. O projeto prevê a interligação ao FPSO de dez poços produtores e sete poços injetores. O escoamento da produção de petróleo será feito por navios aliviadores, enquanto a produção de gás será escoada pelas rotas de gasodutos do pré-sal.

A finalização da conversão do casco, a montagem e a integração dos módulos e o comissionamento da unidade foram realizados em Pontal do Paraná pela Techint Engenharia & Construção. Com mais de 70 anos de atuação no Brasil e 40 de experiência no mercado offshore, a Techint orgulha-se de ser a responsável pela construção. Para as obras, 15 dos 20 módulos da plataforma foram executados pela empresa.

Foram quase três meses de preparação após o início da produção do primeiro óleo.